Atualidades

02-08-2018

Inteligência Artificial: a Pierre Fabre lança o 2.º Desafio de IA Médica

Foi lançado o convite à apresentação de candidaturas para o 2.º Desafio de IA Médica, organizado pelo grupo Pierre Fabre. Este novo desafio decorrerá nos dias 4 e 5 de julho em Castres (Tarn) no âmbito da 12.ª edição da Universidade de verão de saúde eletrónica que todos os anos reúne o ecossistema internacional da saúde conectada.

O desafio irá centrar-se novamente na temática do cancro da pele, uma questão crucial para a missão do grupo Pierre Fabre. Segundo o Centro Internacional de Investigação do Cancro (IARC), uma agência especializada da Organização Mundial de Saúde, são declarados todos os anos 232 000 casos de melanoma maligno e 55 000 pessoas morrem do mesmo. O grupo Pierre Fabre fez da prevenção e do tratamento do melanoma um eixo prioritário do seu desenvolvimento, através da sua experiência em dermocosmética (prevenção com fotoprotetores), dermatologia médica (tratamento de lesões pré-cancerosas como a ceratose actínica) e oncodermatologia (investigação e desenvolvimento de tratamentos para melanomas graves).  

Para se inscrever no desafio: http://iasantechallenge.bemyapp.com/

Da deteção precoce à prevenção do cancro da pele

Em novembro passado, o 1.º Desafio de IA Médica centrou-se na deteção de melanomas a partir de imagens de dermatoscopia de sinais. Para esta segunda edição, a Pierre Fabre decidiu colocar as equipas do desafio a trabalhar num projeto para uma nova abordagem algorítmica de classificação de queimaduras solares. Apoiado no grupo pelas equipas clínicas de I&D da Pierre Fabre Dermo-Cosmétique, o projeto visa reforçar os métodos existentes para a determinação de fatores de proteção solar e assim otimizar a eficácia dos futuros fotoprotetores, a fim de prevenir melhor os cancros provocados pela exposição solar[1].

Agilidade digital, abordagem cooperativa e espírito universitário

A Pierre Fabre planeia receber cerca de quarenta data scientists neste segundo hackathon dedicado à saúde, que decorrerá nas instalações da ISIS, a faculdade de engenharia especializada em saúde, situada no campus universitário de Castres. Combinando agilidade digital e espírito universitário, o Desafio irá premiar duas startups. Após 24 horas intensas, os participantes terão a oportunidade de apresentar o seu projeto a um júri de peritos da Pierre Fabre, da Microsoft France e da PME Keyrus Life Science, que fornece serviços de data science à Pierre Fabre.  

A equipa vencedora irá receber um prémio de 5000 EUR e a segunda classificada um prémio de 2000 EUR. Além disso, todas as startups interessadas também terão a oportunidade de beneficiar de um acompanhamento no âmbito do programa de aceleração "Inception", oferecido por outro parceiro de grande envergadura, a NVIDIA, líder em inteligência artificial. O programa de incubação NVIDIA Inception acompanhará o desenvolvimento das startups, permitindo-lhes acelerar a sua solução de IA nas mais recentes plataformas GPU e tecnologias NVIDIA dedicadas a Deep Learning.

Para organizar o seu segundo Desafio de IA Médica, a Pierre Fabre escolheu o cenário inspirador da Universidade de verão de saúde eletrónica, um evento de vulto, organizado pelo Polo Tecnológico de Castres-Mazamet, com o qual mantém uma parceria de longa data. Embora a utilização da plataforma técnica não seja obrigatória, a Pierre Fabre renovou também a sua parceria com a Microsoft, que irá oferecer aos participantes um ambiente de trabalho ideal para melhor executar os algoritmos: a sua Cloud Azure com os processadores gráficos (GPU) mais potentes da NVIDIA. Durante o hackathon, as equipas serão orientadas pelos data scientists da Pierre Fabre, da Microsoft e da Keyrus Life Science. A Pierre Fabre pretende realçar a necessária coexistência entre boas competências e a qualidade das parcerias para alcançar soluções viáveis.

"Este desafio irá permitir fazer um sourcing em grande escala."

Thierry Picard, Diretor Digital da divisão de medicamentos e saúde da Pierre Fabre

Além dos dois Desafios que pretende organizar todos os anos, a Pierre Fabre transformou a IA num novo eixo central no desenvolvimento da sua estratégia digital. "Consideramos que a IA pode desempenhar um papel determinante na saúde, não só no futuro, mas já no presente, principalmente nas tecnologias de prevenção e observação" salienta Thierry Picard, Diretor Digital da divisão de medicamentos e saúde da Pierre Fabre.

O principal objetivo é mobilizar amplamente o ecossistema digital para avançar mais rapidamente nos projetos de IA. "A nossa ambição é referenciar parceiros que produzam IA a um preço justo" continua. "Este Desafio irá permitir-nos fazer um sourcing em grande escala, para que as nossas equipas e as empresas vencedoras possam trabalhar em projetos concretos de investigação ao serviço dos profissionais de saúde e dos doentes, pois são eles que estão no centro das nossas atenções."

"Partilhamos as mesmas raízes e a mesma história com a Pierre Fabre"

Virginia Doan, Diretora do Polo Tecnológico de Castres-Mazamet, que organiza a Universidade de verão de saúde eletrónica

A Universidade de verão de saúde eletrónica, organizada pelo Polo Tecnológico de Castres-Mazamet, tem construído a sua reputação entre os atores do mundo digital pela sua abordagem transversal, conquistando um reconhecimento que é hoje internacional. 900 atores e decisores em inovação tecnológica marcaram presença na edição de 2017 e Virginia Doan, Diretora do Polo Tecnológico de Castres-Mazamet, prevê o mesmo sucesso para a 12.ª edição, que decorrerá nos dias 3, 4 e 5 de julho de 2018 em Castres (Tarn), subordinada ao tema "Inteligência Aplicada, uma IA ao serviço da descompartimentação e da transversalidade, uma IA virada para as utilizações do presente e do futuro". Na agenda: mesas redondas, anúncios televisivos, demonstrações, networking, prémios, etc. A sua capacidade de renovação é um motor para o evento, que inova constantemente com os seus parceiros, e em particular com a Pierre Fabre, que patrocina os prémios de saúde eletrónica desde 2013. "Trata-se de um evento de destaque para o qual já recebemos 153 candidaturas relacionadas com projetos inovadores (um aumento de 25%), sendo que um quarto delas provém de outros países" explica. A parceria mutuamente vantajosa foi estabelecida com o laboratório há três anos, através da organização de um primeiro hackathon, depois de um Chatbot Challenge e, este ano, um Desafio de IA Médica, para visar outro público e promover a emergência de novos projetos. “Partilhamos as mesmas raízes e a mesma história com a Pierre Fabre, que participa na programação das conferências, apresenta-nos a sua rede de peritos e faz o cruzamento de informações no evento", continua. Este ano, esta parceria múltipla inclui também a organização de duas conferências dedicadas às "utilizações na blockchain da saúde" e à "segurança e experiência do utilizador em serviços de saúde eletrónica". A divisão de dermocosmética da Pierre Fabre também irá apresentar a sua iniciativa Dermaweb. Como outra novidade da edição de 2018, a Universidade de verão de saúde eletrónica decorrerá em três locais excecionais na cidade de Castres, para oferecer "uma nova experiência ao nível das tecnologias digitais e da saúde". "No primeiro dia, estaremos nas instalações hospitalares, próximos dos doentes e dos profissionais de saúde. Depois, a nossa conferência de abertura sobre a ética das tecnologias em saúde eletrónica decorrerá ao final do dia no átrio principal da Câmara Municipal. As atividades principais do evento, em particular o Desafio de IA Médica da Pierre Fabre, decorrerão na faculdade de engenharia da ISIS, um laboratório de ideias para tecnologias digitais" salienta Virginia Doan.

"Atingimos uma nova etapa na nossa parceria com a Pierre Fabre"

Gabriel Julien, Diretor Comercial da Keyrus na região sudoeste

A Keyrus Life Science, filial do grupo Keyrus especializada em desenvolvimento pré-clínico e investigação clínica, é uma das numerosas CROs de Investigação e Desenvolvimento que foram extensivamente e devidamente referenciadas pelo grupo Pierre Fabre (Achats R&D, OSS R&D, etc.). Pela primeira vez, a empresa participará este ano na Universidade de saúde eletrónica e contribuirá com os seus conhecimentos em data science no âmbito do Desafio de IA Médica. Mais especificamente, os data scientists da Keyrus especializados em medicina irão ajudar a preparar e disponibilizar o conjunto de dados fornecidos às startups pela Pierre Fabre e orientar as equipas para que consigam terminar o trabalho no tempo disponível. "Após três anos de uma relação de fornecedor/cliente, estava na hora de iniciar uma nova etapa na nossa parceria com a Pierre Fabre no âmbito da Universidade de saúde eletrónica, que é também um canal de comunicação estratégico para a nossa empresa" afirma Gabriel Julien, Diretor Comercial, que acredita que a empresa pode contribuir para o ecossistema da IA graças à sua experiência empresarial. "O nosso negócio consiste em implementar sistemas de informação decisórios para processar dados para todas as funções da empresa (RH, Finanças, Marketing, Vendas, Direção-Geral, etc.)", prossegue. "Os nossos clientes no setor do retalho, do e-commerce, da distribuição e da saúde pedem-nos cada vez mais serviços de manipulação de algoritmos e de data science". O principal desafio hoje é "cruzar" dados internos e externos (de parceiros, do INSEE, meteorológicos, etc.) para destacar os elementos com valor, que permitam à empresa reposicionar-se. Nos últimos quinze anos, a Keyrus reforçou significativamente a sua presença no setor hospitalar (hospitais e hospitais universitários) e junto de organismos de tutela (a agência regional de saúde francesa (ARS), a agência nacional de segurança dos medicamentos francesa (ANSM) e a MAP), participando na elaboração dos respetivos sistemas de coordenação da tomada de decisões. A empresa está também criou o seu próprio programa Keyrus Innovation Factory (KIF) que estabelece uma ligação entre as startups e os seus clientes em diversas aplicações. Fundada em 1996, a Keyrus é uma PME francesa com sede social em Levallois-Perret, que teve um volume de negócios de 260 milhões de euros em 2017 e que conta com cerca de 3000 colaboradores.

"Com a Pierre Fabre, centramos os nossos esforços de divulgação do projeto da IA na área da saúde"

Antoine Denis, Diretor de Desenvolvimento e Inovação das Atividades de Saúde na Microsoft France

Para Antoine Denis, Diretor de Desenvolvimento e Inovação das Atividades de Saúde na Microsoft France, o hackathon é uma oportunidade para ter acesso a novas ideias e a projetos muito inovadores no âmbito dos cuidados de saúde. A parceria com a Pierre Fabre partiu daqui, com o primeiro Desafio de IA Médica que decorreu nos dias 24 e 25 de novembro em Deauville, durante o 28.º Festival da Comunicação na Saúde. O desafio para as equipas consistia em reconhecer um melanoma a partir de imagens de dermatoscopia de sinais. Para fazê-lo, foram orientados por peritos do editor e trabalharam em milhares de imagens a partir da plataforma Microsoft Azure Cloud. A parceria foi renovada com a Microsoft para este segundo Desafio de IA Médica, utilizando uma nova abordagem algorítmica para classificar as queimaduras solares. O objetivo é o mesmo para Antoine Denis: "fazer emergir projetos inovadores, para acompanhar a transformação dos cuidados junto de todos os atores". Por outras palavras, como conseguir os melhores tratamentos ao menor custo e com uma maior satisfação do doente? Com a IA, a visão do médico para a Microsoft é a de um "médico otimizado". "Atualmente, com a Pierre Fabre, centramos os nossos esforços na divulgação da inovação na cadeia de fornecimento de cuidados de saúde, que continua a ser a fase mais complexa do projeto de IA", conclui.

 


[1] Referências: Green AC, Williams GM, Logan V, Strutton GM."Reduced melanoma after regular sunscreen use: randomized trial follow-up". Journal of Clinical Oncology 2011; 29:257-63. 82. Ulrich C, Jürgensen JS, Degen A, Hackethal M

https://pdfs.semanticscholar.org/be7d/ecf9c7c6d2b1a24f87f3971bed98fbe84e86.pdf